sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Timbila



É possível assistir pelo Canal Brasil, o filme do meu amigo Aldino Languana. Aldino produziu em 2010 o filme Timbila e Marimba Chope, um documentário sobre o instrumento percussivo musical proclamado obra-prima do patrimônio oral e imaterial da humanidade pela UNESCO.

A Timbila, plural de Mbila, é um instrumento utilizado pela etnia Chope, da província de Gaza, na região sul de Moçambique. Construída à semelhança da Marimba, o instrumento integra a simbologia das expressões musicais daquela região africana.

Não consegui uma versão completa do documentário na internet, mas deixei abaixo a chamada do DOCTV e um vídeo produzido pela UNESCO, onde são evidenciadas as principais características do instrumento e do contexto cultural no qual o mesmo está inserido.










Acompanhe as novidades do blog também pelo twitter: @fneves_violao

Performance com o Banjo Americano



O domínio de um instrumento musical é uma prática que vem sendo cada vez mais adotada por pessoas em todo o mundo. No Brasil, considerando as diferentes regiões e respectivas culturas locais, há a predominância de instrumentos como violão, viola caipira, pandeiro, cavaquinho e flauta.

Nos EUA, por exemplo, um dos instrumentos de grande popularidade é o banjo. Fato indiscutível e facilmente comprovado através de pesquisa no Youtube. Dentre os inúmeros vídeos sobre execução do banjo americano selecionei os de Jaimee Perea para ilustrar essa publicação. Confiram!










Acompanhe as novidades do blog também pelo twitter: @fneves_violao

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

The Ukulele Orchestra of Great Britain



O Ukulele é um simpático instrumento havaiano, primo distante do nosso cavaquinho. Para quem não lembra, ele aparece em muitos desenhos de animação, sobretudo os da Disney.

Na Grã-Bretanha, esse instrumento ganhou uma orquestra própria, a Ukulele Orchestra. Essa é uma iniciativa bem inusitada, que ganha um temperinho de descontração a partir do repertório interpretado. Os músicos já realizaram apresentações em importantes palcos da Europa, além de países de outros continentes.













Acompanhe as novidades do blog também pelo twitter: @fneves_violao

A Construção da Viola Caipira



Você sabe como é construído um instrumento artesanal?
Nesse vídeo, o luthier Luciano Queiroz abre sua oficina para a equipe do programa Terra da Gente, da EPTV (afiliada Rede Globo), apresentado por José Vantini Júnior.

Durante o programa, o luthier explica o processo de construção da viola caipira!






Acompanhe as novidades do blog também pelo twitter: @fneves_violao

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Violão e Identidade Nacional



Apesar de ser um dos instrumentos mais populares na nossa música, o violão tem a sua história no Brasil ainda pouco difundida. Porém, a iniciativa da musicista e pesquisadora Marcia Taborda vem revertendo esse quadro.

Marcia lançou em 2011 o livro "Violão e Identidade Nacional" pela editora Civilização Brasileira, um trabalho pioneiro que organiza a história social do violão do Brasil.

Sobre o livro, selecionei abaixo uma entrevista da autora ao jornal Gazeta do Povo que apresenta os aspectos que nortearam seu trabalho de pesquisa.

Instrumento do Brasil - entrevista de Rafael Costa com Marcia Taborda




Acompanhe as novidades do blog também pelo twitter: @fneves_violao

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A Viola de Queluz



Um instrumento que liga as raízes da colonização à cultura popular brasileira, a Viola de Queluz é para a música o que são as obras de Aleijadinho e outros mestres do barroco mineiro para as igrejas das cidades de Ouro Preto e Congonhas.

Importante testemunho da história do Brasil, a Viola de Queluz foi tradicionalmente construída entre o início do século XIX e meados do século XX, tendo o nome atribuído à cidade de Queluz de Minas, hoje conhecida como Conselheiro Lafaiete.

Esse tipo de viola carrega algumas características que a diferenciam da popular Viola Caipira, ou Viola Brasileira. Seu espelho, a madeira que carrega os trastos no braço do instrumento, era nivelado na altura do tampo. Fato esse que fazia com que os útlimos trastos fossem afixados no próprio tampo. Também era comum que as quarta e quinta ordens de cordas fossem compostas por um jogo de cordas triplas.

Mas o principal detalhe que diferencia a Viola de Queluz é o belo trabalho de marchetaria realizado manualmente sobre o tampo do instrumento. A impressão que passa é que o som de cada viola é reproduzido pelos desenhos em seu próprio bojo.

Abaixo, deixo um link que traz uma reportagem com o luthier Max Rosa, que é um guadião da memória do instrumento.





Acompanhe as novidades do blog também pelo twitter: @fneves_violao

MuseScore



Esse é um assunto de grande interesse para músicos profissionais e amadores. Assim como ocorreu com arquivos do pacote Microsoft Office/Open Office, agora músicos e profissionais da música tem disponibilizado um programa gratuito para edição de partituras.

O MuseScore foi criado justamente para suprir uma demanda que estava subordinada à utilização de editores de partituras que eram protegidos por leis de propriedade intelectual e custavam uma baba para que artistas, compositores e demais profissionais pudessem fazer uso de suas ferramentas.

Esse programa possui, além dos recursos de notação e edição musical multiplataforma, uma rede virtual de interessados em música. Assim, além de proporcionar recursos condizentes com a tecnologia disponível atualmente (internet, etc...), oferecem a facilidade para que esses artistas possam convergir informações e trabalhar de forma colaborativa.

Tenho trabalhado a algum tempo com esse programa, pois migrei de uma experiência de alguns anos de grande familiaridade com os outros editores mais populares do mercado, dentre eles o Encore e o Finale.

Oferecendo recursos à altura dos demais editores, o programa foi elaborado de forma que os procedimentos de manipulação se conservam similares aos demais, e ainda conta com vantagens relacionadas ao intercâmbio de saberes e produção de conhecimento compartilhado.

Assim, acredito que o maior diferencial do produto seja justamente a possibilidade da livre troca, levando-se em consideração que vivemos hoje numa sociedade que tem como prática cultural o colaborativismo. Visite o site do produto e conheça. Espero que suas inpressões também sejam satisfatórias!





Acompanhe as novidades do blog também pelo twitter: @fneves_violao